2011-05-08

tédios




o poema recusa surgir
porque desconheço
o húmus das noites e dos dias
que sei eu da fala do mar
e do brilho das estrelas
espelhando-se nas águas
que sei daquilo que não vejo
nem toco
que sei eu
da minha própria
voz
que não ouço
que sei eu
deste país que foge do seu cais
encalha no deserto das ideologias
mercantis
nas quais conta mais
o saldo de receitas e despesas
do que um olhar
sério e brando
para aquele velho
com sacos de plástico nas mãos
e o corpo deitado na calçada
cujas pedras
hoje quentes
nem o peso lhe sentem

o que pode a minha
voz
perante isto
o que podem estas palavras
perante os rostos contendo gritos
disfarçando-se
em breves sorrisos
porque o dia começa
e há que agarrá-lo logo
no espelho
de manhã

pessimismo

talvez
mas então somos muitos
os pessimistas
pois os rostos
carregados e sonâmbulos
e as costas vergadas
arrastando-se em correrias
pelos túneis do metro
são ensaios
cujos títulos são
vencer o dia
vamos empurrando o dia
para que a noite surja e eu me deite
não em ti
mas neste colchão gasto
pelo peso do meu corpo
vazio de emoções
resta
quando se pode
ir às lojas
às feiras
aos hiper
ver e comprar
trapos
e conversar
nem que seja
apenas
sobre a medida das calças
do vestido
da camisa
e
quando tudo corre bem
acabarmos com um sorriso
mesmo que não dê para comprar nem vender

sair
levantar um pouquito
o olhar
e procurar
entre os prédios
da cidade
o céu impossível

ajuda bastante a quebrar
este tédio
esta atitude medíocre
mas por vezes
uma alternativa possível
à morte diante da televisão
artefacto armadilhado
de pseudo comunicação

o poema afinal surgiu
o poema
que disse eu
será o poema
uma voz
o que pode então a minha
voz
perante o destempero
do mundo









Eva Besnyo

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. ... e o poema surgiu tal como o sol num céu azul. Recortes de vida, do dia a dia, de um pensamento que vive cada momento.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
  3. Querido amigo,

    Um poema que relata sentimentos desta visão que costuma nos assaltar, vez em quando...

    Beijos com carinho e boa semana.

    ResponderEliminar
  4. A PEDIDO DE ALGUNS AMIGOS
    vou fazer a
    1ª EXPOSIÇÃO EM LISBOA
    das tais fotos da ÍNDIA
    que já estiveram expostas por 5 vezes em lugares bem diferentes.

    Desta vez espero a sua visita.

    E, se puder divulgar aos seus amigos e conhecidos eu agradeço, porque já não vou expôr mais vez nenhuma em Lisboa.


    Aproxima-se mais um grande momento na minha vida.

    Será a 1ª EXPOSIÇÃO EM LISBOA

    e a 1ª EXPOSIÇÃO DE 2011

    Pelo espaço em si, adivinha-se algo diferente do que já foi feito até hoje.

    Desta forma CONVIDO todos vós,
    que me acompanham pela Blogosfera desde 2005.
    Uns desse tempo e outros mais recentes,
    mas cá vamos andando,
    sem desistir e isso é o mais importante nesta vida dos blogues.

    Quem achar que tem interesse em visitar, faça o favor de aparecer.

    Prometo um atendimento personalizado da minha pessoa, como tenho feito nas anteriores exposições.

    Vou estar presente no DIA DA INAUGURAÇÃO
    - HOJE - sexta-feira - 27 de MAIO pelas 22 horas.

    Serão 3 semanas que estará patente ao público.

    Um abraço.

    ResponderEliminar