2010-09-19


escrita


o movimento
imperfeito
dos lábios
articula
palavras vãs


--


quando o poema era
fala
cantava-se o poema
de boca em boca
era quente
o momento da
palavra
feita
fala
os versos não eram
solilóquios enaganosos
ninguém se precocupava
com o prelo
ninguém queria
o prelo
nem a estampa

que poema
hoje
se canta
a quente






11 comentários:

  1. Querido amigo José Marinho ( lindo nome),

    belezas tantas neste post que tenho apenas uma palavra a dizer: obrigada!


    Carinhoso beijo e excelente semana.

    ResponderEliminar
  2. Poema que me lançou um desafio e que não é muito linear, pois não? Deixo aqui o a ponta por onde lhe peguei.

    "o movimento imperfeito dos lábios articula
    palavras vãs"- sem dúvida - e eu contradiria que o movimento imperfeito das mãos no prelo conduz também a palavras vãs. E hoje ainda se canta um poema a quente se os lábios articularem palavras não vãs. Concordas?

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. .

    . entro pasmo e estarreço .

    .

    . e peço.te,,, .

    .

    . um dia destes, deixas.me roubar.te este poema? .

    .

    . :))) . please... .

    .

    . um enorme abraço meu, josé .

    .

    . paulo .

    .

    ResponderEliminar
  4. Olá, eu te re.conheço! Que bom te reencontrar, bem neste momento. Belo poema* e para o vídeo não encontro palavras à altura. Em que o tempo é naïf. O tempo dos cantores, dos contadores de histórias, em volta do fogo, é em aparência infantil; mas na verdade é adulto, social e verdadeiro, com um tanto de natural, não poupando por inteiro. De um passa ao outro. Vem a sofisticação e se *poupa*. Ah!
    Beijo amigo. Fico contigo.

    "Imenso amor o meu, de tal jaez

    Que minha alma, liberta da couraça

    Do egoísmo, da mágoa, da aridez,

    Vive no espaço que esse amor lhe traça.



    Dia após dia, mês depois de mês,

    Sigo teus passos, preso à tua graça.

    És a resposta a todos os porquês

    E a afirmação de que nem tudo passa.



    Quando disseste “vem comigo”, eu vim

    Pois eras a esperança, eras meu sonho

    Mais divino, mais puro, mais pudico.



    Como a lei natural impõe um fim,

    Morra eu, que de matéria me componho,

    Mas nunca morra o amor que te dedico."

    by Renata Cordeiro

    Fica comigo, se puderes.

    ResponderEliminar
  5. Começando pelo movimento imperfeito dos lábios articulando palavras vãs
    até ao poema cantado a quente
    hoje,
    de boca em boca,
    um mundo de palavras
    feitas mudos gritos


    que quente seja a fala.

    Bjos

    ResponderEliminar
  6. Olá, vim conhecer teu espaço, voltarei, boa e agradável semana.

    um Deus
    muitíssimo muito mais complexo
    que os deuses da imaginação do homem
    e então a máquina
    desde o princípio desde o fim
    em espiral eterna
    ...vem
    .....vai
    pulsando os universos os céus
    as galáxias milhões de anos-luz
    os sóis diversos

    ResponderEliminar
  7. Olá, amigo. Venho desejar-lhe Bons Dias*******

    Louco, o coração*******


    Louco, o coração rasgou-me o peito, estilhaçou a vidraça do quarto e desobediente, voou a procurar-te.
    Parou na tua rua, viu a luz lá dentro e bateu à porta suavemente.
    Como eu antes fazia.
    Quando abriste, se apertou contra ti, tremendo de emoção e assim ficou sem dizer nada...
    Como eu antes fazia.
    Depois beijou-te a boca com a urgência da saudade, sentiu o teu cheiro, tocou-te o corpo, procurando o teu desejo, alimentou-se de ti...
    Como eu antes fazia.
    Saciado, deixou-te só, depois do abraço apertado como cordas, forte como amarras...
    Depois das palavras sussurradas com voz quente...
    Como eu antes fazia...
    Quando te vi chegar, o meu coração ferido, esse teimoso indomável, não teve coragem de te castigar...
    Recolheu-te com carinho e tratou das tuas feridas.

    Renata eu e daí. Mudei-o de blog.
    Um beijo pra vc.

    Nem sempre poderei estar aqui, mas estarei sempre.

    ResponderEliminar
  8. .

    . passo e re.passo para te deixar um abraço, para te desejar um bom.fim.de.semana e para te dizer que é para mim um honra ter.te no intemporal .

    .

    ResponderEliminar
  9. Como é bom ver escrito , tão magnificamente , um sentir que me acompanha há anos .

    Muito obrigada .

    Um beijo ,
    Maria

    ResponderEliminar
  10. Fiquei curiosa quando vi o nome, afinal era o Jota.
    Há muito que não nos falamos, mas voltei, e hoje "o poema se canta a quente"
    Abraço

    Vou voltar, ou melhor começar a voltar às lides I promise

    ResponderEliminar
  11. Olá José,
    Admiro demais o Paulo do Intemporal, acho o espaço dele de uma beleza ímpar! Através dele estou conhecendo teu espaço, lindo!. Adorei tuas palavras, eu escrevo com mais simplicidade, mas se quiser conhecer fique à vontade.

    Beijos
    Fátima

    ResponderEliminar