2010-01-11

Poema colectivo. Lembrais-vos?

Conforme combinado eis o Poema colectivo com a única sugestão de imagem feita por portuguesapoesia@sapo.pt . Obrigado. Acresento, eu, outra de Isabel Monteverde. Desejos de boa recuperação da sua saúde.




Imagem enviada por Poesia Portuguesa




de Isabel Monteverde in Artista Maldito



um beijo
no centro
do coração
e que a voz
se erga
pulando a cerca da noite
em balidos de veludo
despertando sobre a areia
no aroma da aurora

um beijo
um beijo ao lado do coração
para depois o agarrar
na noite perdida e achada
sem nunca a voz derrubar

da boca nasce então um grito
nas mãos
cravos vermelhos
no coração
amor novo
nascido na madrugada
que aqui não chegou

nesta minha terra não se podia cantar
até que um cravo de liberdade
nos fez levantar e gritar

as vozes ergueram-se em uníssono
e um canto fizeram despertar

eis agora
no centro do cravo coração
alma de novo a pulsar
não pode perder a noção
não pode deixar-se calar
desperta voz do amor
desprende deste cravo
as notas suaves
mas graves
de arpejos quase sem dor

escuta
o olhar preso na miséria do povo
ouve o soldado poeta
de mãos a gemer
ejaculando ecos de raiva
com que bordava as estrofes
pressentindo em júbilo

que um abril havia de acontecer
e no perfil dum tempo a correr
atiram as palavras-mal-paridas
como balas abatendo os cravos que nasciam
no coração do poeta

olha os passos fardados
olha o ganir do medo
vampiros vorazes
procurando sugar o puro sangue
da madrugada
sem o tempo da aurora

que fazer

que fazer
deste tempo
daquele tempo

pára
pára tempo
tempo não pares
olha o futuro

futuro

onde

para onde
para ontem

para amanhã
porque hoje
não és porto de abrigo

cada um escolheu seu jardim florido
nos verdes sonhos da juventude que escoa
onde nossos filhos abraçarão
gaia
que lhes deixaremos como
terra queimada e desilusão

sabes

não me perguntes
como vivi o futuro
porque eu quero
sepultar o tempo
o passado é amanhã
e por ti vou esperar
nos silêncios gastos
enrolados nas areias
ansiando um tempo novo

serenos
aguardamos
o que somos
o que fomos
fruto da seiva
escorrida daterra ferida
de onde nasceram
cravos vermelhos
que ousaram
perpetuar o nome de
liberdade

direi então
mais do que nunca

um beijo
no centro
do coração e que a voz
se erga
ao nascer
da aurora


Participaram neste texto, que eu apenas retoquei (ver versão em bruto: Isabel Monteverde; Ana Paula; Fátima; Isabel(sletras); Vasco; Desnuda; Marta Vasil; Betty; Menina Marota; Poeta sou; Rosa Brava e José Marinho

20 comentários:

  1. Eu lembrava-me, não me lembrando.
    Imagem? Difícil.
    Se eu soubesse pintar, desenhar..., mas não sei.

    Abraço Jota.

    ResponderEliminar
  2. Lembro! Era madrugada ( ou quase). E relendo, acho que mais bonito ficou! Betty, com certeza, deve ter uma que encaixe com perfeição, porque é uma pessoa das artes, do mundo e do Ser, na sua essência humanista, como você.

    E falando de imagem, que linda esta de Sebastião Salgado! Fiquei feliz em vê-la em destaque.

    Mas vou guardar o email do amigo!

    Beijos, com carinho e admiração sempre.

    * Mas volto, perdi algumas postagens e sempre venho aqui para aprender e me encantar. Um prazer, sempre.

    ResponderEliminar
  3. E foi abril nos cravos que adornaram as armas, nos olhares, nos corações...

    Uma bela poesia, a evocar esse dia.


    Um beijinho *

    ResponderEliminar
  4. Lembro-me muito bem :)

    Óptima ideia reeditá-lo. Cooperação e partilha, das melhores mensagens para o mundo!

    Vou pensar em imagens, certa de que o "poemar-te" vai encontrá-las excelentes. Basta apreciar um pouco os cabeçalhos deste blogue :)

    Um abraço, Jota.

    ResponderEliminar
  5. Um belo poema .
    É a primeira vez que o leio .

    E o que quero lembrar , sempre , é o seu conteúdo.
    Beijos para todos .

    Maria

    ResponderEliminar
  6. *
    só agora aqui cheguei
    o que prova que o
    passado é amanhã . . .
    ,
    brisas poéticas, deixo,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  7. Olá Jota.

    Andas fugido. Pois eu fugi de vez, quer dizer, não tenho a certeza, mas à partida sim. Também do "facebook". Afinal quem eram os meus "amigos"? Família e amigos reais. Em minoria eram alguns de vocês. Prefiro comentar as vossas publicações nos blogues.

    Que tal está a correr o teu apelo - imagem para ilustrar o poema colectivo?

    Entretanto, espero que esteja tudo bem contigo.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Tenho a certeza de que a Isabelinha (Artista Maldito), quando estiver em condições de por aqui passar, vai ficar encantada. Tal como eu fiquei, amigo POETA.
    Um grande abraço.
    António

    ResponderEliminar
  9. Se me lembro, e foi bom recordar jota, é sempre bom recordar!!!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. ._________querido Jota


    ficou lindo______!!!_______penso que todos os que colaboraram também são da mesma opinião


    __________a todos os meus PARABÉNS!



    .e a ti claro! pela realização desta "ponte" (e do significado da mesma) que tão importante é entre as pessoas.


    .muitos.muitos parabéns por isso. a ti meu amigo




    ___________________///







    beijO________ternO

    ResponderEliminar
  11. PASSEI PARA LHE CONHECER..
    VIM ATRAVÉS DA BETY..
    MUITO BELA A POESIA.
    COM CARINHO
    SANDRA

    ResponderEliminar
  12. Em meu nome pessoal e dos meus heterónimo Poesia Portuguesa, Rosa Brava e Menina Marota agradeço a publicação deste poema colectivo e das imagens escolhidas.
    O poema será hoje mesmo publicado no Blogue Poesia Portuguesa e no Clube dos Poetas Vivos do Facebook.
    Muito grata a todos os participantes.
    Um abraço
    Otília martel

    ResponderEliminar
  13. Adorei!
    Só tem um defeito: eu não ter participado :D

    Parabéns!

    ResponderEliminar
  14. Olá Jota!
    Não resisti e voltei..., diferente mas igual :)

    As imagens são muito boas. Acho que cada uma à sua maneira, se enquadra perfeitamente no poema.
    Eu, que nem sei poetar, sinto-me ougulhosa por ter participado.
    Obrigada Jota.

    Abração.
    Fátima.

    ResponderEliminar
  15. Jota, orgulhosa mesmo!
    Peço-te autorização para publicar no meu novo / velho "NUANCES".

    Não demores a responder, s.f.f. :)

    ResponderEliminar
  16. .

    . estão todos de parabéns .

    . na ovação à palavra que lavra a terra .

    . grat.íssimo .

    . uma boa semana,,, .




    . paulo .

    .

    ResponderEliminar
  17. Beijo - a matéria-prima parao poema colectivo.
    Uma boa ideia. É sempre um bom tema, mas o
    melhor é a sensação/sentida de um beijo e há
    vários tipos de beijos.
    Saudações bloguistas/Irene

    ResponderEliminar
  18. Tanti auguri a voi poeti!!! Vi aspetto.
    Bacini

    ResponderEliminar
  19. E vim reler o poema feito em conjunto, foi uma boa ideia esta.
    Beijo

    ResponderEliminar