2009-09-05

Dedicado aos politicozinhos."Salo..." de Pier Paolo Pasolini.





Faço apelo ao voto branco/nulo, no qual se registe uma mensagem escrita do cidadão. Não somos tão iletrados que não saibamos escrever para além da cruzinha. É das poucas hipóteses legais de os colocar isolados. Valeu?

12 comentários:

  1. Por acaso já tinha decidido, há coisa de quase dois anos, que, nas legislativas, votaria em branco... Bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  2. Erradíssimo senhor JOTA. Vá ler a Lei Eleitor por favor. O voto branco e o nulo NADA valem. Pelos vistos dá-se mais importância à ABSTENÇÃO devido ao seu grande número.
    Defendo a alteração da Lei Eleitoral de forma a que os votos brancos, pelo menos estes, tenham outro tratamento. TEM QUE HAVER UMA HIPÓTESE DE SE PODER DIZER "NÃO, NENHUM É A MINHA OPÇÃO" ou algo parecido, mas para isso é necessário alterar a dita Lei. Afinal temos uma lei que nos "baliza" as liberdades!
    Defendo também a eleição de "não-deputados" (X votos brancos, por exemplo, elegeriam uma cadeira em branco - cadeira que não poderia ser "comprada" e que contaria nas percentagens das votações; por outro lado reduziria as despesas). Por último acabaria com as maiorias absolutas pois está provado os abusos a que elas levam. A palavra PROIBIR pode parecer abusiva, mas como os políticos cá da terra não cumprem há que usar de métodos semlhantes até para ver se eles se "modernizam". Em qualquer país "civilizado" governa-se com minorias. Afinal para que serve o Parlamento? Se é para representar os partidos isso é contrário à Lei (e é o que acontece), logo há que arranjar formas de o "meter na ordem" ou trocar-lhes as voltas.
    São só sugestões que, há muito,lanço para a praça pública (assim como outros "cidadãos") para serem discutidas. Há outros a fazê-lo, felizmente.
    Para já acho mais importante evitar as maiorias absolutas e, para isso, basta votar (em vez de ficar em casa), distribuindo votos por pequenos partidos. Não se trata de escolher esses partidos, mas sim de retirar a possibilidade de que os "grandes" obtenham maiorias absolutas. Não gosto de mentir (odeio) mas, num sistema viciado, é-se obrigado a agir desta forma.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. o anónimo anterior - VM19 de setembro de 2009 às 16:24

    "O seu comentário ficará visível após aprovação." - Então aqui também se tem que passar pela censura prévia?
    Que todos os comentários obriguem à inserção dum endereço electrónico e assim já se poderá identificar (sim, eu sei que é fácil iludir isso, mas reduzirá isso) o comentador para fins legais. Desta forma não passa de censura!...

    ResponderEliminar
  4. Pier Paolo Pasolini abjurou os filmes a que tinha apelidado da "Trilogia da Vida". "Saló" é um deles.
    Apesar de os ter feito com determinada intenção, eles poderiam (ou estariam já a) ser utilizados para outros fins/objectivos. Pier Paolo apercebeu-se desse perigo e abjurou-os; disse que se isso acontecesse ele não teria sido mais o autor dos mesmos.

    ResponderEliminar
  5. Em primeiro lugar, o cabeçalho está muito lindo.

    É o que apetece fazer, escrever, rabiscar, dizer...sem jogar na cruzinha.

    Jota, fica bem.

    Beijinho
    Isabel

    ResponderEliminar
  6. G(ó)stei! E nem preciso pensar no teu apelo :)))
    Abraço.
    Fátima

    ResponderEliminar
  7. Jota, eu ontem à noite escrevi aqui. Tinhas os comentários moderados, só seria publicado com a tua autorização, por isso não "chores" por ninguém vir ao teu cantinho :)))
    Respondi-te, lá, no meio.
    Vamos ver o que acontece agora...

    ResponderEliminar
  8. Compreendo o teu "desencanto".

    Enfim, eu ainda mantenho alguma convicção, de modo que vou votar, com cruz num quadrado específico :)

    Espero que o início do ano esteja a correr bem. De qualquer modo, não posso deixar de te desejar: Bom Ano!

    ResponderEliminar
  9. Olá amigo! Eu gosto de vir aqui com calma, tempo e com muita atenção para desfrutar do bom, do belo , da qualidade e absorver o máximo de conhecimentos que você oferece nestas postagens geniais que traduzem e expressam de forma formidável a sua visão humanitária. Obrigada.


    *Aqui também muito calor. Eu devia estar acostumada...Mas parece que com a idade fiquei muito mais sensível em tolerâncias e intolerâncias , até mesmo quanto as temperaturas do meu habitat rsrs.



    Carinhoso beijo

    ResponderEliminar
  10. Pois é, meu caro!

    Pelo jeito, a diferença entre os políticos é apenas o país em que se encontram. Aqui no Brasil, há um enorme descrédito nessa categoria, por conta de casos e mais casos de corrupção que são descobertos, além da incompetência para tratar dos assuntos de interesse popular.

    Muito interessante o vídeo (que eu não conhecia), relacionando o sadomasoquismo com a relação de poder político-social. De uns tempos pra cá, a América Latina tem mostrado que quer se livrar dos grilhões econômicos que os Estados Unidos impôs através de manipulação e muitas vezes, quase praticando um estupro cultural em tantos países... quem sabe um dia!? Aí em Portugal, através da língua, vocês tem uma admirável resistência a termos que no mundo todo são "americanizados", o que aqui, infelizmente, ainda existe a aceitação sem questionamentos.

    E sobre o voto branco, por aqui é muito debatido nas conversas de rua de alguns. Ao meu ver, o voto nulo (votar num candidato que não existe ou rasurar o voto) é mais válido do que o voto branco (voto sem qualquer marcação, abdicando do direito de votar). O voto branco é o mesmo que o eleitor dizer que "tanto faz" um como o outro, ou seja, um ato de conformismo. Já o voto nulo é uma forma do eleitor dizer que não está satisfeito com nenhum dos candidatos.

    Não sei como é a constituição daí, mas acredito que o sistema deve ser parecido.

    Ótimo post! Até...

    ResponderEliminar
  11. .________meu querido amigo


    [estou de volta_____das minhas férias:=)!]


    .muito bem escolhido - não podia ser melhor!!!


    ____________________:=))






    beijO____ternO

    ResponderEliminar
  12. Por mim valeu Jota.
    Adorei a Branca de Neve, fez-me voltar às histórias de menina e aos contos de fada, quando existem tantas coisas que nos preocupam neste momento.
    Beijo
    Isabel

    ResponderEliminar