2009-07-06

Solar e.... Mais Fiona Apple

Sugiro que desligue à musica no leitor ao lado.



Solar



volto ao branco

antes a angústia esquizofrénica
das batas do hospital
com os seus lençóis higienizados
do que a ausência de luz do negro
máscara antecipada da morte
qual fino
qual requinte
qual cerimónia que dá para tudo
funerais
tomadas de posse
noites pseudo-luxuosas
com as suas galas execráveis
vazias e dementes

volto ao branco
volto à página imaculada
resistindo a ser riscada
pelas mãos muitas vezes inábeis
de um corpo
que apenas atira para o papel
a sua agonia lenta
a sua felicidade tonta

como ser feliz
com a idiotice do mundo
diante dos olhos
sem qualquer hipótese de fuga
mesmo assim
diante deste mundo mantido
pela ganância cretina de alguns

pareço um desgastado político

antes o branco
tendo a esperança
que a aurora nos ilumine
com os seus raios
poderosos
sublimes
delicados

ó parvoíce a minha
a aurora não precisa
de adjectivos




9 comentários:

  1. Ooh la la! Um belissimo layout do cabeçalho!!!

    E Fiona, maravilhosa...E estando leminskiando neste momento, transcrevo para o comentário sobre o video de Fiona:


    " nadando num mar de gente
    deixei lá atrás
    meu passo à frente".

    (p. leminski)


    Beijos!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo comentário deixado no meu blogue...
    Parabéns também pelo seu espaço.
    Um abraço
    Rui Rodrigues de Sousa

    ResponderEliminar
  3. Ai..., Jota..., este teu poema mexeu comigo (negativamente). Não tens culpa, claro.
    Sem ouvir, o títuto da canção, também.
    Li..., acho que andas adoentado. Toma atenção - o stress é macabro.

    Abraço Jota. Fica bem.

    ResponderEliminar
  4. Muito bom! Poesia do hoje, do século 21. Gostei muito da visita valeu a pena. Abraço

    ResponderEliminar
  5. olá Jota

    Também fico preocupada, embora o poema seja muitissimo bom. Ansiedade?

    Digo-te com toda a sinceridade, tens de cuidar-te, eu ando a bromalex e a ansiedade foi para outras paragens. O mal do tratamento é que me dá para rir sem motivo, em condições normais devia chorar.

    Não te deixes abater.

    Beijinho
    Isabel

    ResponderEliminar
  6. Tens um "conto" chamado "Ausência de luz" que deverias colocar aqui. É, no geral, bom; com aqueles erros que teimamos em cometer.
    Parece-me que as pessoas analisaram mal o poema (é a minha opinião). Não sendo absolutamente positivo é um raiozinho de luz (como se pudessemos emiti-la, hehehe).
    Se "querem" algo negativo deixo-vos uma frase que repito constantemente: "A Natureza se encarregará de nós".

    Até mais logo, "JOTA". Por aqui tudo mal, como habitualmente, mas... nunca pior. "trouble in mind, i'm blue/ but i won't be blue always/ someday the sun gonna shine my backdoor again"
    Pois é, mas não basta esperar...

    ResponderEliminar
  7. Olá Jota

    Menos cansado? Com mais tempo para ti próprio?

    Fiona... uma voz envolvente numa letra forte.

    Sinto o teu poema também de palavras fortes, ásperas algumas, esperançadas outras, mas pela primeira vez não consigo chegar a uma conclusão que me deixe satisfeita, acho que estou com dificuldade em juntar as pontas.
    Será que o branco tem a ver com a esperança de mudança de comportamentos? Será que falas de futilidades tão em moda na vida oca de muitos, como um verniz que mais cedo ou mais tarde irá estalar? Dos fracos e dos poderosos nos diferentes campos?... É um poema de desânimo à espera de uma "nova aurora"?

    Beijinho e desculpa, pois quase tenho a certeza de não ter conseguido fazer uma leitura coerente deste teu poema.

    ResponderEliminar
  8. .________querido Jota


    ao ler___________senti o teu poema como uma "crítica" bastante abrangente_______o que adorei

    ________________por isso Fiona ou não!?










    beijO______ternO

    ResponderEliminar
  9. Jota, como sabes sou assídua visitante do blogue da nossa amiga I.L.M., e é lá, que às vezes, leio comentários teus. Uma pessoa até fica aborrecida por ver que outrem está pior do que aquilo que pensava.
    "... hipótese de fuga...", não há - concordo. Mas acho que existe a "libertação", todos os dias, nem que seja por algumas horas, quando te afastas do que te perturba e entras no teu mundo. Ou não?

    Abraço Jota. Fica bem!

    ResponderEliminar