2008-12-01

sem título



estas suaves e belas
manhãs de outono
convidam o peito
aos delicados
raios da aurora

e a pele respira
o que a alma exige

6 comentários:

  1. Um belo quadro contrastando com as manhãs primaveris, onde contemplo os ramos de buganvillie nos portais...Respiro e a alma exala o sabor das manhãs...

    Sobre o teu olhar, pouso o meu beijo suave

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pela visita, fiquei feliz por poder assim conhecer este epaço bonito. Linda a fotografia emoldurando versos de grande sensibilidade. Transmite gracioso frescor...

    "...e a pele respirao que a alma exige"


    Lindo...


    Grande beijo

    ResponderEliminar
  3. Você faz poema como eu gosto...Adorei e vou voltar!

    Beijos

    Maria

    ResponderEliminar
  4. Pois cá estou...

    Gostei do que li e vi.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Belíssimo momento, belíssimo blogue, voltarei com toda a certeza.

    ResponderEliminar
  6. O menino olha a cidade baixa
    Enquanto um vapor corta as mansas águas
    Alguém na aurora de outono
    Sente a brisa do poema
    E o menino, é um retrato do pintor a espera da chegada da bola e de seus amigos, pois hoje é sábado.

    ResponderEliminar