2008-12-20

natal ou tear mecânico




sobre a minha cabeça
só a luz ténue
de um sol ameno
nunca estas lâmpadas
espalhando histerias controladas
para que a vista
melhor se entranhe
de hugo boss
ou gant
e o coração finja
alegria
sob o brilho
tecido por um luxo
sem luxo
porque sem a
luz
das mãos que
tecem
nenhum brilho
existe


imagem de http://imonteverde.blogspot.com/

6 comentários:

  1. Olá,

    “das mãos que
    tecem
    nenhum brilho
    existe”

    Belíssimo!...

    Nas mãos que teceu o poema todo brilho existe.

    Bom fim de semana!...


    (a)braços,flores,girassóis:)

    ResponderEliminar
  2. Olá

    As aparências dos brilhos e as aparições de outros brilhos, num jogo que cruza a efémera e fugaz luz das ribaltas com o brilho autêntico das mãos que no poema burilam as palavras.

    Poesia límpida e bela.

    Beijinho
    Isabel

    ResponderEliminar
  3. Meus sinceros votos de um feliz e renovador natal para você e seus familiares e que todas as suas esperanças se concretizem em 2009, .............!


    Beijooooooooooooooooohohohohoho!

    ResponderEliminar
  4. Porque as mãos tecem a beleza da vida...

    Um beijo

    tem um Natal muito feliz!

    ResponderEliminar
  5. Receber um poema
    Inesperado
    Ato gratuito, rico, isolado...

    Cidade grande, fios sem extremos
    Extremos gestos
    Nas pontas dos fios

    Ato isolado
    Só posso mesmo dizer
    OBRIGADO

    2009 DE LUZ, PAZ
    E GRAÇA

    ResponderEliminar